Município já recebeu 1.357 doses de vacina e imunizou 844 pessoas

Até o final da tarde da última quinta-feira, dia 4, a primeira dose da vacinação contra a Covid-19 em Cataguases havia alcançado 844 pessoas. Desse total, 101 foram aplicadas junto aos colaboradores e aos internos do Lar São Vicente de Paulo e mais 743 profissionais de saúde. Ainda na quinta, teve início também a aplicação da segunda dose junto ao mesmo público. O município recebeu até agora 1.357 doses da vacina, conforme informou o secretário municipal de Saúde, Ricardo Mattos, em uma live (transmissão ao vivo pela internet), realizada no mesmo dia 4. Na oportunidade, Ricardo Mattos reiterou que Cataguases vem respeitando, rigorosamente, o Plano Nacional de Imunização, preconizado pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria Estadual de Saúde.

Na mesma live, o diretor administrativo da Secretaria de Saúde de Cataguases, Vinícius Franzoni voltou a chamar atenção para a necessidade da população se prevenir, mantendo as medidas sanitárias e de segurança, já que a vacinação vem chegando pouco a pouco em todo o país. Em cerca de um mês, mais precisamente entre 1º de janeiro a 3 de fevereiro, Cataguases apresentou média de 22,26 casos confirmados da doença; 82 óbitos; 66% de ocupação da enfermaria e 119% de ocupação de UTI.

DENGUE – O biólogo e educador em saúde do Núcleo de Controle de Endemias, Elcio Amaral, também participou da live, mostrando números que considerou preocupantes para a dengue e advertiu quanto aos cuidados necessários para evitar a doença. Trazendo os números do LIRAa
(Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti) feito em janeiro, Elcio informou que o índice de infestação predial por Aedes aegypti ficou em 3,1 e o de Aedes albopictus foi 2,1. Segundo ele, embora esses índices sejam de médio risco, Cataguases acumula 133 notificações, das quais 23 confirmações para dengue e uma notificação de chikungunya.

O biólogo explicou ainda as iniciativas adotadas pelo setor, como o
uso das armadilhas (as chamadas ovitrampas) nas residências, a fim
de identificar os potenciais focos do mosquito e eliminá-los para o controle da dengue.