Secretaria de Saúde já vacinou 1.372 pessoas contra o Covid-19

De acordo com as informações divulgadas na live semanal (transmissão pela internet) do canal TV Saúde da última quinta-feira, dia 18, na sede da Secretaria Municipal de Saúde, 1.372 pessoas já receberam a primeira dose da vacina contra o Covid em Cataguases. Deste total, 72 são idosos do Lar São Vicente de Paulo, 1068 são prestadores de serviços de saúde, e 232 são idosos
acima de 90 anos. Na oportunidade, o titular daquela pasta, Ricardo Mattos, prestou novos esclarecimentos aos cataguasenses a respeito do andamento da campanha no município.

VACINAÇÃO DE IDOSOS

O secretário ressaltou que a vacinação dos idosos acima de 90 anos, realizada na última segunda-feira, dia 15, marcou o início da imunização do público em geral. “Em três dias, ou seja, até quarta-feira, 232 idosos tinham sido vacinados, sendo essa demanda atendida junto aos postos de saúde dos bairros Paraíso, Granjaria, Bandeirantes, Leonardo, e dos distritos de Sereno e Vista Alegre”, disse. Ele também informou que na quinta e sexta-feira, dias 18 e 19, as equipes de Estratégia Saúde da Família
interromperam o trabalho nos postos para prestaram o atendimento de vacinação domiciliar junto aos idosos acamados, a partir da base cadastral da secretaria.

Neste sentido, Ricardo Mattos voltou a falar da importância do cadastramento on line, já disponibilizado pelo link no site do Facebook da Prefeitura. “As informações em cadastro são o nosso balizador. Isso facilita a localização e a identificação das pessoas que precisam ser priorizadas. Quem não tem acesso à internet, peça ajuda ao filho, ao neto, a um parente mais próximo, a um vizinho, porque esse cadastro é o medidor da quantidade de idosos de cada faixa etária que a gente tem em demanda”, esclareceu ele, lembrando que o procedimento é muito simples e prático.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE

Ricardo Mattos lembrou também que o critério que prioriza a vacinação dos profissionais da saúde não leva em consideração
a sua atividade ou local de trabalho. “Portanto, não importa se é médico, dentista, veterinário, ou se trabalha no hospital. Todos são igualmente profissionais de saúde, e seguimos o que preconizam o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado da Saúde, que é vacinar os que têm comorbidades e das faixas etárias mais idosas para as mais jovens, sucessivamente, na medida em que a vacina for chegando”, afirmou.

UM ALERTA E O CANAL DE DENÚNCIA

Um alerta importante é que a Secretária Municipal de Saúde, em hipótese alguma, faz ligação para a residência de qualquer cidadão cataguasense pedindo confirmação de número de telefone ou de qualquer dado cadastral. “Não estamos fazendo isso. No máximo, o que a gente faz é ligar para determinado profissional de saúde, confirmando o dia da vacinação dele. Mas nunca para pedir confirmação de dados, como e-mail, telefone fixo ou celular. Isso não existe, é fraude, é mentira”, alertou Ricardo Mattos.

Reiterando a importância da transparência e responsabilidade da condução desta campanha de vacinação, Ricardo Mattos voltou a lembrar que a Secretaria de Saúde de Cataguases mantém na internet um canal oficial e gratuito para acolher denúncia de eventual irregularidade. Ele também citou o setor de ouvidoria, que funciona na própria sede da Secretaria. “Quem se sentir de alguma forma mal atendido ou prejudicado fique à vontade para denunciar, para que possamos instaurar até mesmo uma sindicância interna. Nossa gestão é pautada na transparência e na exigência de que nossos servidores atendam bem os cidadãos.

Mas a reciprocidade é a mesma, quer dizer, nossos profissionais estão  trabalhando e devem ser igualmente respeitados e tratados com urbanidade”, ponderou.

NOVAS CEPAS DA COVID-19

A live da última quinta-feira, contou ainda com a participação de Matheus Moutinho, sanitarista do setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde. Ele alertou para os cuidados que devem ser tomados com o avanço de novas cepas do novo coronavirus, especialmente as identificadas no Reino Unido e em Manaus. “Nota do Ministério da Saúde já confirmou a presença dessas variantes do Covid-19 em vários estados do país e a nossa maior preocupação é com o grande contingente populacional de nossos estados fronteiriços, Rio de Janeiro e São Paulo”, disse ele.

Matheus Moutinho pediu ainda que, em caso de sintomas como febre, dor de cabeça, coriza, dores no corpo, a pessoa procure a unidade de saúde mais próxima de sua casa ou, em casos mais graves, o pronto socorro. “Caso a pessoa tenha retornado de viagem a São Paulo ou ao Rio de Janeiro, não deixe de levar essa informação, para que possamos rastrear o diagnóstico de forma mais precisa, inclusive levando em conta a possibilidade de chegada de novas variantes do coronavirus”, considerou. Ele também citou o Centro e os bairros Bom Pastor, Ibraim, Granjaria, Thome e Vila Domingos Lopes com a maior incidência de casos de Covid-19 no município.

OS NÚMEROS ATUAIS

Ao final de mais uma apresentação, o secretário Ricardo Mattos revelou-se mais otimista, com as reduções dos números de casos e de óbitos. Em janeiro, o município esteve perto de um óbito por dia. Em fevereiro, até dia 18, foram sete casos de vítimas fatais por Covid-19. “O número de óbitos reduziu, neste mês, até aqui, em quase 50%. Nota-se que o distanciamento vem sendo respeitado e está surtindo efeito. Parece que as pessoas se deram conta de que, embora desagradável, o distanciamento, a disciplina com higienização de mãos e uso de máscara, reduzem casos de internações mais graves, em UTI”, disse Ricardo.

Mas o secretário também advertiu que é preciso manter a cautela. “O fato é que janeiro foi reflexo das festas de final de ano, com as aglomerações nos núcleos familiares. Agora, semelhantemente, estamos em período pós-carnaval, onde muitas pessoas regressaram também de viagens, das praias, hotéis-fazenda. Ficamos então na torcida para que não tenhamos um início de março semelhante a janeiro”, avaliou. Ricardo Mattos concluiu voltando a pedir que as pessoas sigam se prevenindo, enquanto
aguardamos a vacinação que vem chegando aos poucos.