Patrimônio Cultural de Cataguases

Localizada na Zona da Mata de Minas Gerais, Cataguases possui um rico acervo de arquitetura moderna, construído entre as décadas de 1940 e 1960. O IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) realizou o tombamento individual de 16 edificações, em 1994 e, em 2003, foi tombado o conjunto histórico, arquitetônico e paisagístico da cidade. O patrimônio cultural é formado por obras de Oscar Niemeyer, dos irmãos MMM Roberto, Aldary Toledo, Francisco Bolonha, Carlos Leão e Edgar Guimarães do Valle, dentre outros arquitetos.

Niemeyer é autor dos projetos do Colégio Cataguases e da residência Francisco Inácio Peixoto. Artistas plásticos, paisagistas e designers de móveis também marcaram a cidade com seus trabalhos: Cândido Portinari, Djanira, Emeric Marcier, Anísio Medeiros, Bruno Giorgi, Jan Zach, Burle Marx e Joaquim Tenreiro, entre outros. Na história de Cataguases, destacam-se os efeitos da prosperidade econômica – alcançada pela produção cafeeira, a chegada da ferrovia e, posteriormente, a industrialização – sobre a cultura local.

No início do século XX, a facilidade de comunicação com o Rio de Janeiro, proporcionada pela ferrovia, possibilitou o desenvolvimento de um cenário propício às artes, principalmente as ligadas ao Movimento Modernista, pelo qual a cidade tornou-se conhecida. Entre 1927 e 1929, foi lançado, por grupos locais, o Manifesto Literário e publicada a Revista Verde, modernista. A partir de 1940, iniciou-se a fase da arquitetura e arte modernistas que se estendeu até o fim da década de 1960.

A família Peixoto, proprietária de indústrias têxteis – além de suas residências – financiou boa parte das obras modernas, algumas moradias para funcionários de suas indústrias, escola, cine-teatro, hospital, monumentos, praças, entre outros equipamentos urbanos. Destacam-se, ainda, os painéis e mosaicos utilizados como revestimento em muitas fachadas, assinados por importantes artistas brasileiros.

Além de todas as características estilísticas modernas dessas obras, entre suas peculiaridades estão os acabamentos cuidadosos, o uso de materiais e revestimentos diversos e sua combinação cromática, o uso sem parcimônia do mesmo tom de azul, amarelo e cor-de-rosa que se repetem nas paredes de diversas obras, a profusão de muros em pedra cuidadosamente trabalhados, a cobertura em fibrocimento em alguns edifícios, a ousadia tecnológica demonstrada pelo uso do concreto armado na obtenção de grandes vãos e nas formas não convencionais para a época, a presença dos solários, e as escadas que conectam quartos com salas e cozinhas.

Cataguases é, sem dúvida, uma das cidades que possui um dos maiores acervos culturais do país, o que torna a cidade um verdadeiro museu de arte e história a céu aberto.

Clique AQUI para conhecer a inscrição do patrimônio cultural de Cataguases nos livros de tombos do IPHAN.

Clique AQUI para conhecer o patrimônio cultural de Cataguases.

Clique AQUI para conhecer o projeto Memória e Patrimônio Cultural de Cataguases, do Instituto Cidade de Cataguases.